Da Honestidade

Ela anota no caderninho de compras:
Ítem de grande importância: Honestidade
E sublinha duas vezes.
Então começa novamente a epifania. Honestidade seria um grande tesouro para presentear… — diz. Rapidamente, pensa em quem presentearia.
É honestidade uma utopia? Lembra-se, então, do esforço que consiste não ser corruptível. Um exercício diário. Sentenças de períodos curtos se formam e ela tenta parar de pensar.
Honestidade em tudo. Nos relacionamentos. No trabalho. Na arte. No trânsito. Entre pais. Entre filhos. Entre amigos. Entre irmãos. Entre colegas. Em tudo que consiste viver em sociedade.
Sentiu-se decepcionada ao ver a utopia.
Mas não menos encorajada a continuar a não aceitar esse tipo de desvio. Sublevou-se mais uma vez. Como nos textos que mostrava ao professor de História em época de vestibular. Como nas horas de reflexão dos dias livres.
Como ainda acreditava e tentava passar aos que conhecia:
É lindo ser único. Mesmo que as pessoas não o considerem o quanto gostaria que considerassem. É lindo ter sentimentos bons, mesmo que tudo à volta lhe diga que não. É lindo aceitar que errou, levantar-se e seguir um caminho totalmente novo.
É belo e honesto: ser verdadeiro!

Um ano

Desabrochar faz um ano, oficialmente, hoje 🙂
Lembro que eu estava enrolando para publicar e que foi a Amy que me obrigou a finalmente abrir o blog 😀
É incrível como as coisas mudam. “Na época”, eu era uma adolescente de 18 anos, estusiasmada com o blog e cheia de idéias para por em prática.
O que mudou? Hoje eu estou à beira dos vinte anos, quase não ligo mais para o blog, as idéias ainda pululam mas não tenho vontade de colocá-las em prática 🙁
Eu acredito que seja uma fase como tantas outras. Que é somente o dia-a-dia que tem tirado o entusiasmo, os afazeres que vivem se multiplicando.
E pra constar, só postei aqui hoje devido ao chat MSN-Ênico do Neo Wired que está demais, e porque eles foram os primeiros a dar os parabéns para o bebê aqui 😀
Obrigada Marya, Lucas, Nina e Yuuki. De verdade <3! :*